sábado, 27 de junho de 2009

Antônio Fernandes de Medeiros Jr



Arandi Robson Martins Câmara
Carmela Carolina Alves de Carvalho
Cássia de Fátima Matos dos Santos
Edlena da Silva Pinheiro
Edônio Alves Nascimento
Eldio Pinto da Silva
Jackeline Rebouças Oliveira
Joana Leopoldina de Melo Oliveira
Kalina Naro Guimarães
Ligia Mychelle de Melo
Mácio Alves de Medeiros
Marcel Lúcio Matias Ribeiro
Marcos Falchero Falleiros
Maria do Perpétuo Socorro Guterres de Souza
Massimo Pinna
Orlando Brandão Meza Ucella
Peterson Martins
Renan Marques Liparotti
Rosanne Bezerra de Araujo
Rosiane Mariano
Valeska Limeira Azevedo Gomes

Afonso Henrique Fávero
Aldinida Medeiros Souza





Antônio Fernandes de Medeiros Jr [27-6-2009]




Editora Martins, 1971:
da - p. 111: "Combinadas, referidas a alguns sonetos e devidamente lidas, desvendam um claro roteiro de poesia ilustrada,"...
até - p. 115: [primeiros parágrafos do subcapítulo 2 - Naturalidade e individualismo de Gonzaga]..."Mas também é certo que o significado de Gonzaga varia conforme aceitemos a predominância de um ou de outro."





Na seqüência da exposição didática, Antonio Candido chama a atenção do leitor. Constata que a atitude intelectual de Alvarenga Peixoto se consolida como sendo típica do “ilustrado à brasileira”, a mais expressiva naquele contexto histórico e no enquadramento estético do século XVIII. Além disso, estabelece uma ressalva anunciando que os pontos selecionados para a interpretação seguinte não se encontram “expressamente definidos e organizados”. Tais constatação e ressalva servirão de base para os comentários e desdobramentos analíticos concisos nessa seção do livro.



Para sondar o valor literário e o mérito histórico do poeta inconfidente, Antonio Candido transcreve fragmentos, escassos, das odes e da cantata de Alvarenga Peixoto anteriormente aludidas. Observa as relações temáticas determinantes dos conflitos ideológicos, das disputas políticas que alimentavam as ações inconfidentes sem perder de vista a habilidade do poeta para expressar por meio de versos o contexto do debate para “civilizar” e transformar o Brasil. Considera a ode a Pombal [sem destaque das aspas] duplamente importante quando, no plano do gênero político, a sublinha como “uma das mais belas que nos legou o século XVIII”, e também a pontua “com certeza a sua melhor obra”. Menciona a “Ode à rainha D. Maria I” e o “Canto Genetlíaco” neles localizando a presença de um tópico central do desejo inconfidente, o da autonomia política, antevista como possibilidade apenas quando o Brasil viesse a superar a sujeição imperial, e a ser administrado por brasileiros. Nos versos do poeta, o vislumbre se dá no contexto de batizado do filho do Governador Conde de Cavalheiros, nascido em Minas, D. José Tomás de Meneses.



Conforme Antonio Candido, o alinhamento estético de Alvarenga Peixoto com os demais poetas inconfidentes, Basílio da Gama entre outros, também ocorre mediante a compreensão nova, que teria implicações mais elaboradas no Romantismo, segundo a qual o indígena “ia se tornando símbolo do Brasil”, percepção que se processa no longo intervalo histórico necessário para firmar o perfil de miscigenação do povo brasileiro.



Por fim, a avaliação do Mestre determina que, a despeito do valor histórico e do mérito literário de Alvarenga Peixoto, este inconfidente ainda se situa numa fase de elaboração política e literária refém da “estrita preocupação ilustrada”, cuja superação, em linguagem poética, será percebida na geração seguinte com atividade de Tomás Antônio Gonzaga, Basílio da Gama e Silva Alvarenga.




2 – NATURALIDADE E INDIVIDUALISMO DE GONZAGA



A presença de Tomás Antônio Gonzaga no cenário político do século XVIII imprime maior vigor e amplia o universo de quesitos literários. Antonio Candido divisa no procedimento implícito do poeta uma “teoria da criação poética bem diferente da que reputaríamos ajustada à sua obra”. O fragmento transcrito de trecho da resposta do homem Gonzaga ao conturbado inquérito a que esteve submetido dissimula o estado de espírito provável que o poeta Gonzaga vivenciou na contingência de presidiário quando escreveu as liras do “Marília de Dirceu”.



De acordo com Antonio Candido, com Tomás Antônio Gonzaga a poesia inconfidente adquire relevo para expressar a densidade, algo inusitado entre nós, como decorrência da associação entre vida e obra, por meio de uma poesia que “parece fenômeno mais vivo e autêntico, menos literário do que em Cláudio [Manuel da Costa]”. A partir desta constatação, o novo problema seria examinar os limites entre os acontecimentos de vida pessoal do homem Gonzaga e a composição do poeta Gonzaga, autor de “Marília de Dirceu”. Para formar juízo em relação ao caso Gonzaga, Antonio Candido anuncia três itens necessários à investigação os quais vinculam os aspectos da “aventura sentimental”, da “formação poética” e “as características de sua poesia”, pontos decisivos para bem assimilar essa obra.

3 comentários:

Anônimo disse...

COMENTÁRIO DO TEXTO DE MEDEIROS


Medeiros inicia o resumo com enfoque na atitude intelectual de Alvarenga Peixoto sob a luz de Antonio Candido. Além disso, Medeiros destaca que Antonio Candido para sondar o valor literário e o mérito histórico do poeta inconfidente transcreve fragmentos escassos, das odes e da contata de Alvarenga Peixoto.
Outro ponto relevante mencionado pelo amigo de pesquisa é o alinhamento estético de Alvarenga Peixoto, Basílio da Gama entre outros, no qual o indígena “ia se tornando símbolo do Brasil”, nuances que deixaram alicerces para o Romantismo trabalhar numa dimensão mais complexa.
Medeiros conclui citando a geração pós Alvarenga Peixoto: Tomás Antonio Gonzaga, Basílio da Gama e Silva Alvarenga. Sendo Gonzaga apresentado com algumas características que serão analisadas com mais detalhes no texto seguinte.


Arandi Róbson Martins Câmara
13 -07 -2009

Anônimo disse...

Marcos – instruções para comentários:

para fazer comentário, clique em
[nº de, 0, 1, etc] "comentários"
logo abaixo do texto publicado na quinzena

NÃO clique em "links para esta postagem"
ps- não se esqueça de preencher as letrinhas indicadas no "verificação de palavras”

para facilitar a publicação do comentário, clique em "anônimo"
identificando-se, porém, no próprio texto, como faço agora: Marcos

se estiver difícil, mande para mim por email

LITERALMEIDA disse...

Prezado Antônio:
Estou pesquisando Dante Milano e através da Net tomei conhecimento de um trabalho Teu a respeito do Milano e gostaria muitíssimo de conhecer.
A pesquisa está sendo realizada para formatação de uma apostila de estudos do acervo da biblioteca da Exposição Retalhos do Modernismo. Dessa formatação, uma síntese com a biografia do Dante será postada no blog Retalhos do Modernismo, cujo endereço segue abaixo. No blog estão os endereços eletrônicos para contato.
Agradeço antecipadamente.
Abraços e:
"ESTEJA E SEJA E FIQUE FELIZ!"
Luiz de Almeida & Blog Retalhos do Modernismo
= http://literalmeida.blogspot.com